STEM e a carta de Neil deGrasse Tyson

É recorrente, dentro da perspectiva histórica do ensino de ciências, o aparecimento de programas de ensino. Esses programas, como se espera, refletem as necessidades e expectativas de diversos grupos sociais para a formação dos alunos que mais tarde chegariam à vida adulta e tentariam dar conta de suas responsabilidades individuais e coletivas. Ou dos anseios políticos e econômicos de sua época. Ou de tudo isso ao mesmo tempo.

Se pensarmos num recorte pós 1944, com o fim da segunda guerra mundial e a ascensão da guerra-fria, verificaremos, por exemplo, o aumento da importância que os conhecimentos científicos nas áreas de física, química e matemática ganham espaço no ensino de ciências das nações desenvolvidas e, um pouco mais tarde, nas nações em desenvolvimento. Isso não foi ao acaso, claro: para que o desenvolvimento científico e tecnológico continuasse à pleno vapor para servir aos interesses das nações, era necessário formar pessoas aptas a lidar com esse tipo de conhecimento.

E se nos anos 1960 tivemos a formação de uma elite intelectual científica, nas décadas seguintes, tivemos a mudança para a formação em ciências amplificada para cada vez mais pessoas; o ensino de ciências deixava de ser uma atividade exclusiva para os mais aptos — que eram aqueles que teriam, mais tarde, as suas formações acadêmicas voltadas para a área de ciências da natureza — e passa a ser, gradativamente, uma necessidade frente aos desafios que o avanço tecnológico trazia. Nos anos 1970, surgem tecnologias — como o walkman, disquete de 8 polegadas, fornos de micro-ondas, entre outras — que acabam exigindo, em alguma medida, conhecimentos sobre ciências mais profundos do que aqueles exigidos há poucos anos.

A complexidade teórica e técnica que a sociedade se metia ia avançando, de modo que os problemas decorrentes do trabalho científico logo precisaram fazer parte do aprendizado em ciências. Afinal, a poluição, a destruição da camada de ozônio, entre outras tantas, afligiam a todos, de modo que instruir sobre a ciência, seu funcionamento e suas implicações não era apenas um luxo eventual: era uma questão de sobrevivência das futuras gerações que sentiam os efeitos e necessitavam de voz ativa, de participação nas decisões sobre o uso dos conhecimentos científicos sobre a sua vida. É neste contexto que surge o movimento CTS – Ciência, Tecnologia e Sociedade – nos anos 1980 e que abriu os caminhos para um ensino de ciências voltado a questões humanas e que discuta a ciência de forma mais profunda, como atividade humana e com implicações sociais de suas atividades.

E o que STEM tem a ver com isso?

Os movimentos de ensino de ciências que rapidamente foram apresentados acima têm uma coisa em comum: refletem as necessidades da sociedade frente ao conhecimento científico e suas relações com a política, economia e com a sociedade como um todo. Isso, inclui, evidentemente, a mudança em como esse ensino acontece: deixando de ser algo totalmente passivo, com alunos que apenas ouvem e decoram o que lhes é repassado, para alunos que discutem e refletem (pelo menos, a priori) sobre seus conhecimentos e questões do cotidiano de uma forma abrangente e profunda, já que a ciência em si também é colocada como parte integrante do processo de aprendizagem dos alunos.

Agora, imagine o nível de complexidade e de profundidade que o conhecimento científico tem em nossa sociedade. Pense na rapidez do desenvolvimento científico e tecnológico e como esse desenvolvimento exige reflexão sobre ele; afinal, ao mesmo tempo em que podemos nos comunicar instantaneamente com pessoas de qualquer parte do mundo, estamos sujeitos ao problema da vigilância e da constante coleta de dados; e, do mesmo jeito que existem aplicativos e programas para quase tudo, é preciso ter quem desenvolva esse tipo de solução.

Integrações STEM como proposta de objetivo. Retirado de: Sapounidis e Alimisi (2020).

A proposta STEM — acrônimo para “Science, Tecnology, Engineering and Mathematics” ou algo como “Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática” — reflete, portanto, a atual necessidade para a formação de nossos alunos frente ao que a sociedade necessita — e, claro, o que a escola deixa de oferecer nesse sentido. A ideia central, ainda que não seja possível definir exatamente o que a STEM se propõe, é desenvolver habilidades e competências voltadas as questões da modernidade, intercalando os conhecimentos das quatro áreas STEM (como crítica muito válida por sinal, o STEM pouco inclui discussões relacionadas a outras áreas fora do dito “núcleo duro” da ciência — como sociologia, história e linguagem — o que estimulou a ideia de um movimento STEAM, com a inclusão de “Arts” no processo de ensino e de aprendizagem relacionado à proposta.

E é importante destacar: a STEM não é uma metodologia ativa de aprendizagem. Elementos de metodologias ativas podem ser inseridos durante as aulas que levam em conta a proposta — por exemplo, em atividades investigativas em grupo que levam em conta aspectos do trabalho científico, como o argumento, levantamento de dados, determinação de soluções, etc. Contudo, a STEM não é, por si só, um método que impõe a atividade ativa do aluno em tempo integral, mas sim, uma concepção de quais pontos o ensino de ciências poderia desenvolver e aprofundar.

Apesar de ainda em desenvolvimento, o STEM/STEAM tem muito potencial como mecanismo de desenvolvimento conceitual e atitudinal dos alunos frente ao conhecimento científico. A discussão sobre as práticas relacionadas com as propostas ganha cada vez mais adeptos — até Os Simpsons colocaram a STEM em um episódio em que Margie tenta convencer a população de Springfield a construir uma nova escola baseada justamente em STEM.

Imagem do desenho animado Os Simpsons mostra, no primeiro plano, Margie Simpson ao lado de uma lousa onde se lê STEM, em referência a proposta educacional "Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática".
Reprodução

A carta de deGrasse Tyson para o Brasil

Não só Os Simpsons trouxeram o STEM nos últimos tempos. A carta aberta para o Brasil escrita pelo astrofísico Neil deGrasse Tyson é bem incisiva nisso:

Os países que mais passam por dificuldades no mundo tendem a ser aqueles com baixos níveis de instrução e com ausência de STEM em sua cultura. Você tem os recursos e o legado para liderar toda a América Latina, se não o mundo, no que um país do futuro deveria ser—no que um país do futuro deveria aspirar ser.

Se você abraçar e apoiar suas indústrias STEM—e o setor de tecnologia inteiro—então os sonhos dos alunos em toda a cadeia educacional não terão limites, conforme eles forem introduzidos num mundo em que foguetes são o que alimentam as ambições das pessoas que saem pela porta da caverna.

Neil deGrasse Tyson – Letter to Brazil (2020)

Tyson reforça justamente o papel que se espera para a perspectiva do ensino de ciência baseada em STEAM: que ela seja capaz de preparar os estudantes — e consequentemente, a sociedade — para os desafios e necessidades de nosso tempo, ao mesmo tempo em que faz com o que o conhecimento científico seja compreendido por um número cada vez maior de pessoas.

Se desejamos ser uma sociedade economicamente desenvolvida, precisamos nos desenvolver cientificamente. Não só com o aumento de cientistas e de investimentos em pesquisas, mas também, na profundidade da compreensão da ciência para a sociedade como um todo. E isso tem início na sala de aula. Compreender a ciência, desenvolver soluções tecnológicas, entender as implicações do conhecimento científico e utilizá-lo de modo a melhorar a qualidade de vida é, sem dúvida, uma das maiores demandas de nosso tempo. Por isso, é necessária uma urgente mudança de postura sobre a ciência e o ensino de ciências no Brasil. A perspectiva STEM/STEAM é um caminho válido. Não o único, claro. Mas precisamos dar o primeiro passo rumo ao futuro que deveria ter sido.  

. . . . .

Para saber mais:

. . . . .

Que bom que você chegou até aqui! Agora, que tal nos ajudar a levar cada vez mais conteúdos sobre ciência e educação para cada vez mais pessoas? Além de compartilhar nossos conteúdos e de nos seguir no Facebook e no Twitter, você pode contribuir com o ccult.org com valores a partir de R$ 1. Acesse: apoia.se/ccult e contribua conosco!

 

Mais do ccult.org

Artigos científicos históricos

IMAGEM: FLICKR, ROBERT CUDMORE Um artigo científico é uma forma peculiar que cientistas utilizam para se comunicar com outros cientistas. …

Eletrostática contra a covid-19

Foi na Grécia Antiga que a ideia primordial de o que nos constituía ganhou seus primeiros moldes. Não é uma …

A Wikipédia como ferramenta de enculturação científica

Se você acompanha meus textos publicados aqui no ccult.org e em outros lugares deste vasto mundo chamado internet, já deve …

Por que confiar na ciência?

Eu ainda considero nosso tempo paradoxal. Vivemos rodeados de aplicações do conhecimento científico, dependemos dos avanços que ele propicia, nossas …

Aqui somos #TodosPelasVacinas

Habemus vaccinum (aprovadas para aplicação em território brasileiro)! Com a aprovação emergencial das vacinas contra a covid-19 pela Agência Nacional …

Como contribuir com a pesquisa científica mesmo se você não for cientista

Os dados da mais recente pesquisa de percepção pública da ciência e da tecnologia realizada no Brasil indicam que apenas …

Scroll Up