A desinformação sobre a covid-19, meios de comunicação e a taxa de adesão ao isolamento social

O essencial é invisível aos olhos, como certa vez escreveu Antoine de Saint-Exupéry, autor de “O Pequeno Príncipe”. Mas certas coisas nos parecem óbvias e ponto de nem serem notadas, como por exemplo, o movimento de queda-livre na superfície da Terra. Você solta um objeto de sua mão e ponto: ele cai em direção ao chão, não importando o tamanho, as dimensões ou quantas vezes você faça e refaça isso.

Mas há também o caso em que obviedades – por assim dizer – precisam ser reforçadas. Esse é o caso, por exemplo, da relação que podemos estabelecer entre a quantidade x qualidade de uma informação e a tomada de decisões relacionadas a esses dois fatores.

Você pode ter uma quantidade imensa de informação, mas que resultam em um conhecimento superficial, isto é, você tem um imenso conjunto de dados, mas não sabe profundamente sobre eles. Por exemplo, você pode saber o que é a diabetes, seus sintomas e as consequências dessa doença crônica para o organismo, mas pode não saber como fazer o seu tratamento. Ou você pode ter acesso a informações nutricionais dos alimentos, mas pode perfeitamente consumi-los sem ter a menor noção do que aqueles números e nomes significam. A bem da verdade, há uma distinção importante a ser feita entre informação e conhecimento e, bem, nem sempre essa distinção é óbvia, mas vamos nos ater a ideia de informação, isto é, a ideia de posse de um conjunto de dados e de fatos sobre um determinado assunto.

A pandemia de desinformação

Não estamos lutando apenas contra uma epidemia. Estamos lutando também contra a infodemia – Dr. Tedros Ghebreyesus, Diretor-Geral da OMS

Se precisamos de informação para saber como agir diante da pandemia da covid-19, ter informação ruim é tão perigoso quanto não ter nenhuma informação. A “infodemia” (ou o excesso de informações sobre um problema que é visto como um prejuízo para sua solução) é uma assombrosa realidade no combate ao coronavírus, como mostra este artigo de Matteo Cinelli e outros.

Em meio a situações fora do comum, é normal que as pessoas desejem saber o máximo possível sobre o que lhe tirou da normalidade. Com a pandemia de covid-19, isso não seria diferente. E uma questão importante sobre o papel da imprensa – e da divulgação científica, como não? – foi levantada neste artigo de Leonardo Bursztyn, Aakaash Rao, Christopher Roth e David Yanagizawa-Drott: a qualidade das informações disponibilizadas ao grande público contribui para a mudança de comportamentos e respeito as medidas de contenção do novo coronavírus?

Para isso, os autores utilizaram como parâmetro os dois programas noturnos mais assistidos da TV por assinatura dos Estados Unidos: o Sean Hannity Tonight e o Tucker Carlson Tonight (coincidentemente, ambos são da Fox News). Utilizando métodos de análise do discurso, isto é, coletando as falas e textos exibidos pelos dois programas e verificando as tendências de argumentos e de informações contidas neles, os autores observaram que o primeiro descartava os riscos relacionados ao Sars-CoV-2, enquanto o segundo programa, de Tucker Carlson, já alertava seus espectadores desde fevereiro sobre a ameaça que a doença representava.

A partir daí, os autores aplicaram um questionário para pouco mais de mil espectadores da Fox News com idade igual ou superior aos 55 anos. O resultado obtido com o questionário aponta que os espectadores do Hannity Tonight (que minimizava os efeitos da pandemia) demoraram, em média, cinco dias a mais para mudar seus comportamentos do que os outros espectadores da Fox News, enquanto os espectadores do programa de Tucker Carlson fizeram a mudança em suas rotinas três dias antes do que a média dos outros espectadores do canal.

Se não bastasse a evidência de que as informações corretas propagadas pelos meios de comunicação sejam fundamentais para a mudança de comportamento pessoal e, consequentemente, da diminuição dos casos de covid-19, os autores verificaram que existe uma tendência de casos 30% a mais e uma taxa de mortalidade 20% maior entre os espectadores do programa de Sean Hannity do que entre os espectadores do programa de Tucker Carlson.

Gráfico da diferença de informações sobre o coronavírus entre os dois programas de TV pesquisados. A lacuna de informações aumentou a tendência de contaminações e mortes entre os espectadores dos dois programas em virtude da covid-19 | Retirado de Bursztyn et. al, 2020

Com a mudança de tom na cobertura do Hannity Tonight, abandonando o viés negacionista do coronavírus, seus espectadores também modificaram seus comportamentos. O que reforça a importância da informação correta a todos oferecida pelos meios de comunicação.

Informações corretas salvam vidas. Se em tempos normais a qualidade da informação já era uma necessidade, em tempos de pandemia, ela é essencial. Parece óbvio. Mas o que é óbvio também tem que ser dito.

. . . . .

Para saber mais:

. . . . .

Mais do ccult.org

Infográficos como recurso didático para as aulas de ciências

Os infográficos são largamente utilizados no jornalismo como recurso de complemento a notícias. A ideia é ilustrar fenômenos, acontecimentos e …

Mapeando as discussões sobre ciência no Twitter

Criada em 2017, a hashtag é um marco na comunicação na internet. A ideia é simples: marcar assuntos ou temas …

Periódicos científicos na palma de sua mão: aplicativos e sites para acessar e gerenciar artigos

Nos últimos anos, o acesso aos periódicos científicos tem sido facilitado pelo crescente acesso à internet e a parceria entre …

Feliz Dia Nacional da Ciência!

Em um dia como hoje, 8 de julho, era fundada a primeira entidade científica brasileira: a Sociedade Brasileira para o …

Divulgação científica contra as notícias falsas sobre o coronavírus

Uma das tarefas mais importantes da divulgação científica é a de informar corretamente os fatos científicos, especialmente quando eles ainda …

ccultcast dois: os artigos científicos

O segundo episódio do ccultcast está no ar! Neste episódio, discutimos a produção e o papel (sem trocadilhos, por favor!) …

Scroll Up