Transformando o smartphone em um laboratório de ciências

Shares

Smartphones possuem sensores muito úteis para aulas expositivas ou práticas em ciências da natureza. Aplicativos podem ser utilizados para obter dados sobre o campo magnético terrestre e sobre o céu noturno, identificar terremotos e até simular um acelerador de partículas, entre outras funções. Algumas alternativas de aplicativos para smartphones em ensino de ciências são:

Arduino Science Journal — Android [gratuito] — iOS [gratuito]

Desenvolvido por uma equipe do Google, o Science Journal é uma espécie de canivete suíço de medidas que podem ser obtidas diretamente dos sensores do telefone celular. Dá para usar o acelerômetro para medir a aceleração, a inclinação e até a intensidade luminosa e sonora do ambiente. Com isso, é possível realizar diversas medidas experimentais relacionadas com cinemática, estudo das ondas, óptica, entre outras. Além de registrar as medidas coletadas a partir dos sensores do smartphone, o aplicativo ainda salva os valores encontrados, gera gráficos e permite exportar as informações obtidas. O Science Journal possui um guia completo de uso, com atividades e modelos de relatórios experimentais (clique aqui para acessar ).

Lab4Physics — Android [gratuito]

Na mesma linha do Science Journal, o Lab4Physics permite utilizar sensores do smartphone para coletar dados. O aplicativo também oferece modelos de atividades experimentais que podem ser utilizadas em sala de aula.

AcceleratAR — Android [gratuito]

Já quis ver ou mostrar como funciona um acelerador de partículas? Com o AcceleratAR, isso é possível. Graças ao uso da realidade aumentada [1] (cujas dicas de uso você pode conferir aqui), o aplicativo sobrepõe superfícies físicas com gráficos digitais. Além de instalar o aplicativo, você deverá providenciar os marcadores físicos que permitem a realidade aumentada ser visualizada. Tanto os marcadores quanto instruções detalhadas de uso estão disponíveis no site do projeto (clique aqui para acessar ).

The Elements — iOS [pago]

Tabelas periódicas são parte integrante de salas de ciências no mundo todo. E se pudéssemos complementar a tabela periódica com imagens de cada elemento, além das propriedades físico-químicas e um resumo histórico sobre a sua descoberta (ou desenvolvimento) e aplicações. A tabela é totalmente interativa e vale cada centavo pago no aplicativo.

MyShake — Android [gratuito]

A Universidade da Califórnia é uma velha conhecida quando o assunto é a ciência com coleta colaborativa de dados utilizando computadores e smartphones. No caso do MyShake, os pesquisadores do Laboratório Sismológico de Berkeley esperam construir um painel da atividade sísmica de todo o planeta com o auxílio dos sensores do smartphone em que o aplicativo está instalado. Funcionando em segundo plano, o MyShake reconhece tremores de terra. Embora esse fenômeno natural seja raro no Brasil, podemos conviver com ele a qualquer momento [2]. Além dos registros, o aplicativo permite visualizar registros sísmicos em tempo real em todo o mundo.  

 

Phyphox — Android [gratuito]

Uma caixa de ferramentas, especialmente para atividades que envolvam o estudo do campo magnético terrestre e de aceleração. Possui recursos parecidos com o Science Journal e o Lab4Physics, com a diferença de permitir ajustes mais finos na precisão dos sensores. Os recursos adicionais do phyphox podem ser encontrados em: phyphox.org .

Stellarium — Android [pago] — iOS [pago]

Um dos softwares mais conhecidos em Astronomia, o Stellarium possui um excelente aplicativo que, a partir dos sensores de localização e do giroscópio do aparelho, apresenta o céu noturno em tempo real para o usuário. A medida em que você aponta o aparelho para uma região do céu, a tela do aplicativo mostra quais são as estrelas ou planetas visualizados, além de informações sobre satélites, nebulosas e uma linha do tempo para auxiliar no planejamento das observações do céu.

Camaliot — Android [gratuito]

O Camaliot é o resultado do esforço da Agência Espacial Europeia para melhorar o Sistema Global de Satélites de Navegação — GNSS. Esse sistema é responsável pela localização de sistemas de satélites aplicados em diversas áreas, especialmente em estudos climáticos. A ideia é que os modelos de previsão do tempo fiquem ainda mais precisos. Além de enviar os dados, é possível encontrar informações sobre os satélites do GNSS. É interessante usar o Camaliot em conjunto com o Stuff.Space [web], site gratuito que utiliza IA para apresentar a posição em tempo real dos milhares de satélites ao redor de nosso planeta.

. . . . .

[1] Saiba mais em: Dicas de uso da realidade aumentada no ensino de ciências
[2] É interessante apresentar conteúdos da Rede Simográfica Brasileira: http://rsbr.gov.br/

. . . . .

Shares

Mais do ccult.org

O doutorado do Moraes e o mito do cientista

“ (…) e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal.” — Moto da comunidade científica, em mural do MIT (Rubem …

Pães com bolor e a pesquisa com cloroquina: por que você precisa entender como as pesquisas de medicamentos funcionam

É normal que muitas dúvidas apareçam quando uma pandemia surge impões certas mudanças de hábitos na vida de todo mundo. …

Memes e o pensamento científico em sala de aula

Na década de 1950, o físico americano Richard Feynman (eu sei, eu sei) propunha que uma única frase poderia sintetizar …

Descolonização de fósseis brasileiros: o caso Ubirajara e algumas notas de cultura científica

Diversos ramos da ciência são constantemente representados em filmes de sucesso de bilheteria — e não necessariamente sucessos de crítica …

Cesta Científica #9: retratações científicas, diagnóstico de doenças com o auxílio de IA e formação de professores no Brasil

Essa é a versão web da Cesta Científica, a newsletter de conteúdos sobre ciência e educação produzida pelo ccult.org. Inscreva-se …

Entre ciência, hipóteses e pseudociências

Herman Hesse | WikipédiaO alemão Hermann Hesse (1877 – 1962) foi um dos maiores escritores do século XX. Ganhador do …