A rejeição de artigos e a vitória no Nobel

Compartilhe:

Shares

Receber um prêmio Nobel é o reconhecimento máximo da carreira de um cientista. O mais famoso prêmio das ciências, concedido desde 1901, coroa uma vida de estudos, rejeições, frustrações, paciência e disputas internas. Afinal, os métodos de pesquisa científica tendem a nos fazer ampliar o conhecimento sobre determinado assunto; entretanto, o desenvolvimento e a aplicação destes métodos é quase sempre uma experiência regada com pressões, medos e fracassos que quase nunca são divulgados para o público externo. A impressão que se tem é que os cientistas sempre acertam em suas escolhas metodológicas e em suas análises e nunca se enganam quanto aos resultados obtidos.  

Para muitos, fazer ciência é uma espécie de “reloginho”, em que todas as engrenagens se encaixam com perfeição – o que, neste caso, significa que as verbas de pesquisa serão suficientes, os modelos teóricos se encaixarão com perfeição, os experimentos ou testes validarão as hipóteses sem chance de contestação… E os resultados serão aceitos para a publicação em uma revista científica de prestígio.  

Só que a ciência não funciona assim e, em geral, é mais comum que nos deparemos com rejeições e frustrações relacionadas ao corte de verbas, embasamento teórico complexo, e, principalmente, paciência para ter o resultado publicado por uma revista científica.  

Bem, e o que isso tem a ver com o Prêmio Nobel em 2019? Circula na internet uma imagem muito interessante da carta de rejeição de publicação do artigo escrito por Peter J. Ratcliffe, que junto com William Kaelin Jr. e Gregg L. Semenza, acabou laureado com o Nobel de medicina e fisiologia “por suas descobertas de como as células sentem e se adaptam à disponibilidade de oxigênio”, tema que justamente teve a publicação rejeitada na Nature, uma das mais prestigiadas revistas científicas do mundo. 


A rejeição de artigos é algo relativamente comum no processo de publicação do resultado dos estudos de cientistas. Em geral, após realizarem as suas pesquisas, os cientistas publicam seus resultados e conclusões em periódicos científicos, para que outros cientistas da área possam acessar, discutir e reproduzir o seu estudo. Só que a publicação envolve a avaliação daquilo que foi produzido pelo pesquisador e, a depender dos interesses da publicação ou da qualidade ou da relevância que o texto possui, ele pode ser parcialmente rejeitado, com sugestões de correção ou rejeitado completamente, sem que o cientista possa propor a publicação deste texto novamente naquele periódico.  

A taxa de aceitação de artigos é objeto de estudo no mundo todo. Um dos estudos mais interessantes sobre o assunto pode ser acessado aqui. 

Apesar da rejeição da publicação pela Nature, o artigo foi publicado em outro periódico. A persistência pela publicação resultou no Nobel. Mas o que seria um cientista se não um ser persistente? 

Em tempo: o prêmio Nobel de Física em 2019 foi dividido entre três pesquisadores da área de cosmologia: os suíços Michel Mayor e Didier Queloz, da Universidade de Genebra, pela descoberta dos primeiros exoplanetas – planetas que estão fora de nosso sistema solar – e o norte-americano James Peebles, da Universidade de Princeton, pelo desenvolvimento do atual modelo teórico para o estudo da origem e para a expansão do universo.  

 . . . . .

Referências:

DUDZIAK, E.A. Da submissão à decisão – como está a aceitação dos artigos de autores brasileiros? Disponível em: <https://www.sibi.usp.br/?p=23518> Acesso em:12 out. 2019.  

PRIZE, The Nobel. The 2019 Medicine Laureates2019. Disponível em: <https://www.nobelprize.org/prizes/medicine/>. Acesso em: 12 out. 2019. 

_____. The 2019 Physics Laureates2019. Disponível em: <https://www.nobelprize.org/prizes/physics/>. Acesso em: 12 out. 2019. 

. . . . .

Que bom que você chegou até aqui! Agora, que tal nos ajudar a levar cada vez mais conteúdos sobre ciência e educação para ainda mais pessoas? Clique nos botões de compartilhamento e envie este conteúdo para outras pessoas! Aproveite e siga os nossos conteúdos em nossas redes sociais. Estamos no Facebook, no Twitter e também no Instagram.  

Compartilhe:

Shares

Mais do ccult.org

As sinfonias científicas de John D. Boswell

Há alguns meses, escrevi sobre como arte e ciência podem se unir para transmitir informações – e como você poderia …

Habemus livro!

Deixe-me falar um pouquinho de contextos (prometo não me alongar, mas o contexto importa): o ccult.org nasceu em 2019, quando …

Não é milagre, apenas decidimos ir — um olhar sobre a exploração espacial

Eu sou daqueles que acredita que textos e livros mudam pessoas. Ou melhor: textos ampliam horizontes, apresentam novas formas de …

CCULT LIVROS #3 – Catorze camelos para o Ceará

Reprodução – Acervo pessoal Existem histórias que envolvem o Brasil que encantam, revoltam e automaticamente implicam em reflexões sobre o …

Conhecimento, vida universitária e defesa da ciência: um convite ao pensamento para o ingresso no ensino superior

Eu leciono física para o ensino básico – especialmente para o ensino médio – desde 2010. Já passei por algumas …

CCULT LIVROS #2 – Próxima Parada: Marte

Ser um astronauta estava entre os três principais sonhos de minha infância. Talvez fosse essa mesma classificação na hierarquia de …