Sobre o consenso científico das mudanças climáticas

Um dos campos mais importantes para o conhecimento científico é a epistemologia. O termo tem origem na junção das palavras gregas episteme, que pode ser traduzido como “conhecimento” e logos, que é concebido como “estudo”. Então, a epistemologia ramo – comumente atribuído a filosofia – cujo objetivo é o estudo do conhecimento. Ou seja: a epistemologia estuda a origem, a estrutura, os métodos e a validade do conhecimento.

A proposição de modelos e de teorias que definissem – ou ao menos delineassem – o conhecimento científico é um movimento observado em toda a história da ciência. E ao longo da própria evolução dessa discussão, outros tópicos também são objeto de estudo dentro a epistemologia, como por exemplo: os métodos da ciência, como os conhecimentos sobre um determinado assunto se modificam, a influência que a sociedade tem sobre as pesquisas dos cientistas e até como o conhecimento científico se aproxima ou não da verdade dos fatos.

E justamente uma das formas do conhecimento científico evoluir, isto é, deixarmos de adotar uma teoria e passarmos a adotar outra é o que chamamos de consenso. O consenso é basicamente o que fazemos quando precisamos decidir em grupo a forma de pagamento da conta em um restaurante. Após as diferentes visões apresentadas, o grupo chega a uma conclusão, que é adotada para aquele momento – embora possa ser modificada posteriormente. Claro, existem diferenças: na ciência, os pontos de vista apresentados são baseados em fatos, dados e análise de dados e, principalmente, ninguém é capaz de ditar as regras sozinho, isto é, o argumento da autoridade (“façam aquilo que eu mando pois sou eu quem mando aqui!”) não tem espaço na ciência.

E atingir esse consenso é justamente uma das etapas mais difíceis na aceitação de uma teoria pela comunidade científica. É preciso que a coleta de dados, a sua interpretação e os modelos teóricos adotados convirjam de forma muito bem estabelecida e de forma muito convincente para que as contestações sobre aquela teoria sejam cada vez menores e, em contrapartida, a teoria ou modelo científico seja adotada por cada vez mais cientistas. Uma das formas disso tudo acontecer é com a revisão por pares, isto é, é a revisão dos dados, argumentos e conclusões dadas por um cientista avaliadas anonimamente por outro cientista. Isso diminui a chance de que erros de interpretação dos dados (ou mesmo teóricos) sejam propagados.

Assim, depois de todas essas etapas e discussões sobre as quais o conhecimento científico passa, e quando ele finalmente passa a ser adotado por mais e mais cientistas, temos aquilo que chamamos de paradigma, que é basicamente o conhecimento sob o qual outros conhecimentos são estruturados.

Por isso, quando se fala em consenso científico sobre a origem antropogênica das mudanças climáticas, não estamos falando em ativismo político disfarçado de teoria científica. Há um processo muito dispendioso e bem elaborado pelo o qual qualquer conhecimento científico passa antes de ser adotado pela comunidade acadêmica. É sobretudo nisso que reside a importância da informação do aumento do consenso científico sobre a interferência decisiva da ação humana sobre o clima: os diferentes métodos de coleta, análise e as conclusões sobre o tema apontam na culpa de nossa espécie. Dos 11,6 mil artigos científicos com revisão por pares sobre mudança do clima publicados nos sete primeiros meses do ano, não há nenhum que questione a origem antrópica do aquecimento global.

Gráfico mostrando a elevação da temperatura média da Terra desde 1880 com dados de diferentes agências climáticas. Note que as linhas são muito parecidas e, em alguns pontos, se cruzam, indicando resultados iguais, mesmo com métodos diferentes. Fonte: Global Climate Change, NASA

Ou seja: a interferência humana sobre as mudanças climáticas não é apenas uma questão de opinião de ambientalista; é principalmente fruto de análises e de revisões científicas sobre o tema, que apontam o quanto as ações humanas – sobretudo em países desenvolvidos – afetam o clima no mundo todo, principalmente nos países não desenvolvidos.

O patamar de concentração de dióxido de carbono, o CO2, cresceu vertiginosamente desde a segunda revolução industrial e hoje atinge níveis nunca observados em 800 mil anos. | Reproduzido de Climate Central. Acesso em 26 de dez de 2019.

Agora, mais do que o consenso científico, é preciso agir. O nosso futuro depende disso.

. . . . .

Para saber mais:

  • Artigo científico apontando 100% de consenso de cientistas sobre a origem antropogênica das mudanças climáticas: Anderegg, William R L; Prall, James W.; Harold, Jacob; Schneider, Stephen H. (2010). Expert credibility in climate change (PDF). Proc. Natl. Acad. Sci. USA. 107 (27): 12107–9.
  • Climate Change (site com diversas informações sobre as mudanças climáticas. Em inglês): https://www.climatecentral.org/
  • Consenso científico sobre as mudanças climáticas: http://bit.ly/consensoclimawiki

. . . . .

 

Mais do ccult.org

Mapeando as discussões sobre ciência no Twitter

Criada em 2017, a hashtag é um marco na comunicação na internet. A ideia é simples: marcar assuntos ou temas …

Periódicos científicos na palma de sua mão: aplicativos e sites para acessar e gerenciar artigos

Nos últimos anos, o acesso aos periódicos científicos tem sido facilitado pelo crescente acesso à internet e a parceria entre …

Feliz Dia Nacional da Ciência!

Em um dia como hoje, 8 de julho, era fundada a primeira entidade científica brasileira: a Sociedade Brasileira para o …

Divulgação científica contra as notícias falsas sobre o coronavírus

Uma das tarefas mais importantes da divulgação científica é a de informar corretamente os fatos científicos, especialmente quando eles ainda …

ccultcast dois: os artigos científicos

O segundo episódio do ccultcast está no ar! Neste episódio, discutimos a produção e o papel (sem trocadilhos, por favor!) …

A questão do plágio na ciência

Uma das piores infrações éticas que alguém pode cometer em uma pesquisa científica é o plágio. Em resumo, o plágio …

Scroll Up
Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0