Por que confiar na ciência?

Shares

Eu ainda considero nosso tempo paradoxal. Vivemos rodeados de aplicações do conhecimento científico, dependemos dos avanços que ele propicia, nossas relações sociais são implicadas —para o bem e para o mal, não esqueçamos — diretamente pela prática científica em todos os aspectos. Mas, ao mesmo tempo, a ciência é vista como algo distante e sem relação com o dia-a-dia. Negacionistas aparecem o tempo todo tentando desacreditar o valor do conhecimento científico, como se ele fosse algo “restrito aos escolhidos”, negando justamente a sua influência sobre a nossa vida.

Uma parte da explicação para as causas desse paradoxo (ainda não encontrei um nome para batizá-lo e aceito sugestões) é que, de fato, a prática científica não é algo palpável para a maior da população. E quando me refiro ao termo “prática científica”, estou colocando os métodos, formação, o trabalho e a vivência praticada por cada cientista em suas pesquisas e nas discussões de seus resultados. Assim, fica mesmo difícil entender a diferença entre um pré-print e um artigo publicado com peer-review ou a diferença essencial entre revistas divulgação científica dos periódicos de publicação científica. Isso sem se falar na visão ainda estereotipada de que o cientista tem que ser inteligente, leitor, solitário e que vive dentro de um laboratório.

Entender como se dá o trabalho científico é o primeiro passo para uma compreensão profunda da ciência, especialmente em seus aspectos sociais, ideológicos, políticos e metodológicos. Se esses aspectos serão aplicados pelas pessoas em suas decisões pessoais, é outra história. O caso é que a ciência é uma das mais importantes construções humanas e aqui nasce a resposta da pergunta inicial: a ciência é uma construção social em busca de uma ou mais respostas para um questionamento.

Em grande parte, é isso que difere o conhecimento científico de outros conhecimentos: a inexistência de dogmas é a premissa que permite que todo fato dito científico possa ser discutido, estudado e corrigido com o passar o tempo (por isso você sempre ouve falar em mudanças nas afirmações de cientistas).

A busca pelas repostas as questões, as perguntas que motivam os cientistas, é uma busca coletiva. Seja a partir dos conhecimentos estabelecidos ou a partir de experimentos, de novas teorias ou novas interpretações, o conhecimento é discutido entre os pares, isto é, cientistas que possuem conhecimentos suficientes sobre o que é pesquisado apresentam suas ideias e o que as justificam até que um consenso sobre o que é discutido seja atingido. Discordâncias são naturais, mas não são levadas à sério se elas não se baseiam na realidade ou são apoiadas em fatos deturpados (por isso o tal “tratamento precoce” para a covid-19 não é cientificamente válida, já que inúmeros estudos mostram a sua ineficiência no combate a doença).

Então, por que devemos confiar na ciência? Porque é um tipo de conhecimento que não é embasado no argumento da autoridade. Não é porque você é uma pessoa cheia de títulos e de diplomas, dotada de uma grande inteligência, que seu argumento será validado automaticamente aceito pela comunidade científica; é preciso que seu argumento seja bom o suficiente para que outros cientistas concordem com o seu ponto de vista e passem a adotar a sua interpretação para aquilo que está em estudo. Entende agora por que você precisa das normas ABNT?

A construção social que permeia a ciência é uma das formas de se minimizar erros e se valorizar as ideias ao invés das pessoas. Como uma prática humana, a ciência não é imune aos erros. Mas é uma forma eficiente de encontrarmos respostas para as perguntas que nos afligem — ou para aquelas que ainda nem sabemos que existem.

. . . . .

Shares

Mais do ccult.org

O que é menor do que aquilo que não podemos ver? O caminho até a confirmação da existência dos átomos

“Se, em algum cataclisma, todo o conhecimento científico for destruído e só uma frase puder ser passada para a próxima …

Recursos virtuais para aulas de ciências

Um das vantagens nas aplicações no ensino de ciências das tecnologias digitais de informação e comunicação (também conhecidas pela sigla …

Research Rabbit e os caminhos do coelho pesquisador

Nem sempre parece óbvio concluir isso, mas administrar uma pesquisa científica é uma tarefa complexa.  Os estereótipos — ah, os …

Bordados astronômicos de Ellen Harding Baker

Em 1876, após sete anos de dedicação, Ellen Harding Baker finalizou uma obra de arte que utilizava como material de …

Ciência ilustrada no estilo xkcd

Qualquer um que já tenha tido contato com um artigo científico já percebeu que a linguagem e o estilo empregados …

A rejeição de artigos e a vitória no Nobel

Receber um prêmio Nobel é o reconhecimento máximo da carreira de um cientista. O mais famoso prêmio das ciências, concedido …