Não é milagre, apenas decidimos ir — um olhar sobre a exploração espacial

Compartilhe:

Shares

Eu sou daqueles que acredita que textos e livros mudam pessoas. Ou melhor: textos ampliam horizontes, apresentam novas formas de pensar, imortalizam ideias (o que fazemos com tudo isso é uma boa questão, ok, mas isso fica para outro texto). Numa aula de língua portuguesa, uma charge relativamente simples me faz pensar até hoje. O argumento era o seguinte: a exploração espacial e as grandes navegações exigiam a mesma dose de conhecimento e de coragem sobre o que se propunham explorar.

E não há nada mais humano do que desejar conhecer e tentar enfrentar os seus medos rumo ao desconhecido, seja embarcando numa nave para a Lua, seja numa nau navegando pelo atlântico buscando melhores caminhos para as índias.

A história da exploração espacial é uma de minhas histórias humanas preferidas. Não apenas pelo desejo de explorar o espaço ter feito parte de meus sonhos de infância – e de ser uma das grandes responsáveis por eu ter decidido me graduar em física –, mas pelas histórias incríveis de superação, criatividade, coincidências, luta pelo poder político e econômico. Um livro incrível que explana muitas histórias da exploração espacial é o “Próxima Parada: Marte”, que já resenhamos aqui no ccult livros.

Então, como alguém que tem entre as suas paixões a exploração espacial, resolvi tomar coragem e ir a uma exposição sobre o tema (a coragem, neste caso, foi necessária para conseguir encaixar no orçamento o preço do ingresso, que embora tivesse valido cada real investido, poderia ser proibitivo em outros tempos).

A sensação de surpresa e de incredulidade não se deviam apenas a grandiosidade da exposição – havia réplicas em tamanho real do foguete Saturno V, do módulo de pouso Eagle, de rovers e de tantos outros objetos que fizeram parte das missões Apollo: elas eram geradas especialmente pelos detalhes que iam além dos objetos.

Acervo pessoal.

Por exemplo, o primeiro astronauta dos Estados Unidos, Alan Shepard, vivenciou uma situação relativamente constrangedora: o design de seu traje espacial não continha nenhum reservatório para urina ou fezes, já que a missão, a princípio, seria de alguns minutos em órbita da Terra. O problema é que os preparativos para o lançamento, que já são demorados por si só, levaram ainda mais tempo. E claro, a natureza chamou o astronauta, que não teve alternativa senão se aliviar no próprio traje. Nas missões seguintes, já com esse feedback em mãos, os engenheiros da NASA tentaram uma solução nem um pouco trivial: uma fralda emborrachada – que, como você deve imaginar, trouxe ainda mais problemas quando os efeitos de atração gravitacional diminuíram o suficiente para tudo flutuar pelo espaço.

Kits para colher e tratar a urina dos astronautas | Acervo pessoal.

O chamado “efeito tripa” é a grande dor de cabeça para uma exploração espacial. Humanos tem sistema fisiológico, pensam e não necessariamente sabem o que fazer com essas duas coisas. Então, planejar uma viagem espacial é, essencialmente, planejar a sobrevivência, o cuidado com outro membro da espécie enquanto ele estiver longe o suficiente para conseguir fotografar o nosso planeta de corpo inteiro. E isso passa por pensar as tecnologias embarcadas. Cada uma delas, inclusive.

Pense nos capacetes, nas luvas, nas botas, nos computadores e até na alimentação a ser consumida no espaço. Tudo, absolutamente tudo teve de ser estudado e condicionado para que funcionasse no espaço. E olhar para tudo isso com décadas de separação não é só observar a história sendo escrita: é perceber a grandeza do caminho a ser percorrido para que chegássemos até aqui.

É que percorrer o caminho é ter que construí-lo a medida em que se avança. Ele só pode ser construído assim. Por isso, desenvolvimento científico e tecnológico demanda tanto investimento: na maioria do tempo, só dá para seguir adiante quando temos os alicerces bem definidos, isto é, quando temos uma base conceitual que nos permita dar um passo adiante. Pense numa locomotiva que constrói a sua própria linha férrea: sem os trilhos anteriores, ela não consegue seguir adiante.

Não é milagre; apenas decidimos ir.

Anotação de James Lovell, tripulante da Apollo 8, em uma das fotografias registradas durante a missão.

Para chegarmos ao tempo em que é possível fazer lives do espaço e transmitir informação em tempo real pela internet, precisamos antes aprender a usar a estratosfera da lua, a construir foguetes e desenvolver seus combustíveis, a lançar satélites e operá-los da Terra, a desenvolver melhores materiais, a resolver possíveis conflitos de ordem jurídica.

Materiais para suportar a reentrada dos módulos no planeta Terra foram desenvolvidos ao longo da história da exploração espacial. Este mostra a estrutura de uma parte exposta durante uma reentrada a quase 20 mil milhas por hora (pouco mais de 31 mil quilômetros por hora!) | Acervo pessoal.

Aliás, um dos pontos altos da exposição foi a imersão no lançamento de um foguete. Os sons. A vibração enquanto a decolagem virtual acontecia. Sensações indescritíveis, claro. Mas, imagine: como é que foi treinar um ser humano para manter a calma e operar os instrumentos enquanto tudo sacudia ao seu redor sem que, essencialmente, você não tivesse qualquer controle sobre o que acontecia? Pois é. Imagine o nível de coragem e de confiança no trabalho alheio que foi necessário para que as coisas dessem certo.

Itens de alimentação dos astronautas do projeto Apollo. | Acervo pessoal.

Estar próximo aos itens originais utilizados na exploração espacial durante a corrida espacial é testemunhar a história. Ainda mais quando você está diante de objetos que foram e voltaram da Lua — como os módulos de memória da imagem ao lado (possivelmente, o seu celular possui uma capacidade muito maior do que esses que foram utilizados na exploração espacial). Além, claro, de peças dos trajes, documentos e amostras de rochas lunares. É impossível não se encantar ao observar, de pertinho, uma rocha que estava a 300 mil quilômetros daqui. Nem deixar de perceber a grandiosidade do universo que nos cerca: um pedacinho de rocha que levou anos e anos de esforços para ser coletado e é apenas uma pequena amostra de um dos milhões de objetos celestes que nos cercam. Não é incrível pensar que num universo de bilhões e bilhões de anos-luz de diâmetro, só exista uma pessoa como você nele?

Todo mundo vive a sua epopeia pessoal. Não se trata de dimensionar qual é mais importante, mas sim, de perceber que elas tem muito mais a ver com a exploração do universo do que costumamos perceber.

. . . . .

Que bom que você chegou até aqui! Agora, que tal nos ajudar a levar cada vez mais conteúdos sobre ciência e educação para ainda mais pessoas? Clique nos botões de compartilhamento e envie este conteúdo para outras pessoas! Aproveite e siga os nossos conteúdos em nossas redes sociais. Estamos no Facebook, no Twitter e também no Instagram.  

Compartilhe:

Shares

Mais do ccult.org

Sci-Hub em língua portuguesa

Há alguns meses, o Sci-Hub vem recebendo uma série de melhorias em seu serviço. A primeira delas contemplou a abertura …

Cinquenta e dois tons de azul no céu

Uma citação do matemático húngaro Paul Erdös talvez seja a melhor analogia entre máquinas e seres humanos: “um matemático é …

Cesta Científica #4

Esta é a Cesta Científica, a newsletter de conteúdos sobre ciência e educação do ccult.org. A quarta edição da Cesta …

A arte de Richard Feynman

Richard Feynman não foi apenas vencedor do Nobel e um dos maiores nomes da física no século XX: o físico …

Bordados astronômicos de Ellen Harding Baker

Em 1876, após sete anos de dedicação, Ellen Harding Baker finalizou uma obra de arte que utilizava como material de …

Schwarzschild, guerra e a relatividade geral

Renato Russo e a sua inesquecível Legião Urbana cantavam contra os senhores da guerra nos versos de “A Canção do …

if( function_exists('slbd_display_widgets') ) { echo slbd_display_widgets(); }