Divulgação científica contra as notícias falsas sobre o coronavírus

Uma das tarefas mais importantes da divulgação científica é a de informar corretamente os fatos científicos, especialmente quando eles ainda estão em desenvolvimento. E com a pandemia do novo coronavírus, esta tarefa ganhou ainda mais importância. E concorrência de peso: se por um lado a divulgação científica tenta informar a população, por outro, os negacionistas da pandemia e aqueles que aproveitam dela para vender toda sorte de tratamentos e soluções surgem e disseminam suas informações com grande rapidez, como já é percebido há tempos.

Por isso, iniciativas de divulgação científica que auxiliam no combate à desinformação (ou a infordemia, como já discutimos neste texto) precisam de espaço na mídia e nas redes sociais para que atinjam todos os públicos possíveis.

Uma dessas iniciativas é promovida por dois grupos de divulgação científica: o Vidya Academics, grupo criado por alunos e professores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) e o Pretty Much Science, que reúne cientistas de diversas áreas e de diversas regiões do planeta para divulgar informações sobre a prática científica de forma simples.

Os grupos produziram um manual que auxilia a identificar as principais características das fake news sobre o coronavírus — e que, evidentemente, podem ser estendidas para notícias falsas sobre outros temas: não compartilhar o material assim que recebê-lo; checar os dados e as informações contidas no texto; desconfiar de experiências ou relatos pessoais, principalmente quando estes relatam situações com pessoas que você desconheça; ter cuidado com textos com apelo emocional ou que afirmam a possibilidade de cura, especialmente com substâncias caseiras.

Além disso, o manual desmistifica as principais informações incorretas que circulam na internet sobre o vírus da covid-19 e o tratamento da doença.

O manual produzido pelo Vidya Academics e pelo Pretty Much Science está disponível neste link ou pelo botão a seguir.

Tá aí um ótimo material para replicar nos grupos de WhatsApp e também para discutir em sala de aula.

. . . . .

Com informações de Jornal da USP

. . . . .

Para saber mais:

. . . . .

Que bom que você chegou até aqui! Agora, que tal nos ajudar a levar cada vez mais conteúdos sobre ciência e educação para cada vez mais pessoas? Além de compartilhar nossos conteúdos e de nos seguir no Facebook e no Twitter, você pode contribuir com o ccult.org com valores a partir de R$ 1. Acesse: apoia.se/ccult e contribua conosco!

 

Mais do ccult.org

Aqui somos #TodosPelasVacinas

Habemus vaccinum (aprovadas para aplicação em território brasileiro)! Com a aprovação emergencial das vacinas contra a covid-19 pela Agência Nacional …

Como contribuir com a pesquisa científica mesmo se você não for cientista

Os dados da mais recente pesquisa de percepção pública da ciência e da tecnologia realizada no Brasil indicam que apenas …

Dicas de uso da realidade aumentada no ensino de ciências

É fato que a pandemia de COVID-19 forçou a entrada de inovações tecnológicas no ensino de ciências. A sala de …

STEM e a carta de Neil deGrasse Tyson

É recorrente, dentro da perspectiva histórica do ensino de ciências, o aparecimento de programas de ensino. Esses programas, como se …

Infográficos como recurso didático para as aulas de ciências

Os infográficos são largamente utilizados no jornalismo como recurso de complemento a notícias. A ideia é ilustrar fenômenos, acontecimentos e …

Mapeando as discussões sobre ciência no Twitter

Criada em 2017, a hashtag é um marco na comunicação na internet. A ideia é simples: marcar assuntos ou temas …

Scroll Up