Discutindo a compreensão pública da ciência com o pai de Massimiano Bucchi

Compartilhe:

Shares

Imagem destacada por Jakub Dziubak

Meu primeiro encanto com a compreensão pública da ciência veio ainda na universidade, quando debatíamos como as percepções sobre o que é ciência e como é o trabalho de um (ou uma) cientista interferem no ensino e no aprendizado de ciências em todos os níveis. E desde 2015 – graças ao empurrão decisivo que recebi ao ganhar um exemplar do livro “o que é ciência, afinal?” de meu grande amigo Marcelo Muniz – tenho me dedicado a estudar os dois temas (compreensão pública da ciência na sociedade e, em especial, dentro do ambiente escolar). Daqui nasceu o ccult.org e um livro publicado em dezembro de 2019.

Não foi difícil perceber o quão difícil – e, ao mesmo tempo, prazeroso – é comunicar sobre ciência. A dificuldade surge especialmente por tudo o que envolve o tema. O texto a seguir, publicado pelo sociólogo da ciência Massimiano Bucchi apresenta as dificuldades de se comunicar ciência e a importância da compreensão pública dentro do contexto da comunicação científica.

. . . . .

Um estúdio na Toscana, no final da tarde. Papai entra no quarto.

Oi, filho. Só passei para dizer olá, mas vejo que está trabalhando. O que você está fazendo?

Bem, você sabe, eu fui o editor de um jornal, ‘Public Understanding of Science’. Já se passaram 3 anos – eu já lhe disse algumas vezes agora.

‘Compreensão Pública da Ciência’? Bom para você. Há tanta necessidade de compreensão pública da ciência, nos dias de hoje. Negação das mudanças climáticas, ceticismo em relação às vacinas… continuo lendo sobre… como você chama isso? Notícias falsas. Na verdade, parece-me que você deveria chamar sua revista de ‘Incompreensão Pública da Ciência’ hoje em dia, não acha?

[Pausa]

Você não acha?

Hmm. Suponho que uma resposta possível seja: o mal-entendido é, na verdade, uma forma de compreensão. Com ‘compreensão’ não queremos dizer compreender o conteúdo técnico real da ciência. Na verdade, queremos dizer “dar sentido à ciência”, colocando-a no contexto social, político e econômico mais amplo.

‘O mal-entendido é um tipo de entendimento?’ Eu não entendo.

Eu concordo com você em algum sentido. Provavelmente alguns de meus colegas prefeririam um título mais geral para a revista, como ‘Ciência na Sociedade’. Mas ‘Compreensão Pública da Ciência’ nos lembra da história e tradição de nosso campo, o que também é importante.

Isso realmente não responde minha pergunta original. Por que tantas pessoas resistem aos fatos e verdades da ciência? Você tem estado lá lendo, selecionando e comentando os papéis de seus colegas por tanto tempo. Isso não deveria ser óbvio para você agora?

Pai, acho que na verdade você está fazendo mais de uma pergunta ao mesmo tempo. Se sua pergunta for: ‘as pessoas desconfiam da ciência e dos cientistas?’ A resposta que meus colegas têm dado nas últimas duas décadas é: não, eles não têm. A ciência tem sido, e é, um domínio de atividade altamente respeitado dentro da sociedade. E os cientistas também. A maioria das pessoas considera os cientistas muito mais confiáveis em comparação com outras categorias como, digamos, políticos ou empresários.

Puta merda!

Pai!

Acho que você pode estar perdendo seu tempo. Você não leu os jornais? Você não viu nenhuma mídia social recentemente? As pessoas são céticas sobre vacinas, transgênicos, mudanças climáticas, energia nuclear… qualquer coisa que a ciência proponha ou sugira, você escolhe, eles se opõem!

Espere, pai. Como eu disse, você está misturando perguntas diferentes aqui. Tomemos a energia nuclear como exemplo. Os cidadãos podem ter a mais alta consideração dos físicos e engenheiros nucleares e de seus conhecimentos. Ao mesmo tempo, eles podem pensar que a energia nuclear não é a melhor opção para seu país por uma série de razões: porque estão preocupados com os custos de longo prazo do descarte de resíduos, com possíveis riscos geológicos, com instabilidade política e institucional. Você concorda?

Hum… sim, suponho que isso seja possível. Mas e as vacinas? As pessoas preferem expor seus filhos a enormes riscos em vez de acreditar nos fatos científicos básicos. Como você explica isso?

Em primeiro lugar… Você consegue ver uma caneta?

Considerando que você passa todo esse tempo escrevendo, deve haver um aqui. Para onde vão todas as canetas? Essa é, na verdade, uma das maiores questões a serem resolvidas… talvez você devesse ter estudado isso, em vez de sua… ah… compreensão.

Não se preocupe, eu encontrei um. Vamos anotar alguns números. Em primeiro lugar. Você sabe quantas pessoas se opõem firmemente a qualquer vacinação obrigatória neste país?

Não sei… 20%, 30%? Deve haver cargas…

Menos de 5%.

Isso não é possível! Eu continuo lendo coisas ridículas sobre vacinas.

Bem, certamente há uma minoria muito vocal, principalmente nas mídias sociais. Há uma proporção significativa de pessoas que acham que apenas um número muito limitado de vacinas deve ser obrigatório, e para as demais deve caber ao indivíduo decidir.

Ah há! Eu tinha razão! Isso deve ser porque eles são ignorantes. Como o indivíduo pode decidir sobre esse tipo de coisa? Não estamos falando de preferências alimentares, estamos? Fatos são fatos, e a Ciência é a mesma em todas as latitudes!

Pai, você é um crente do ‘modelo de déficit’?

Com licença? Posso ter alguns lapsos de memória de vez em quando, mas meu cérebro ainda funciona perfeitamente bem.

Não estou falando de seus próprios déficits. Estou falando sobre o modelo de déficit. Em nosso campo, chamamos de modelo de déficit a ideia de que as pessoas são céticas sobre certas implicações – ou mesmo aplicações – da ciência porque são ignorantes sobre a ciência.

Bem, esse déficit, ou seja lá como você o chama, parece bastante razoável para mim. ‘Sei do que gosto e gosto do que sei’… era a Lebre de Março de Alice no País das Maravilhas?

Talvez, ou talvez fosse Peter Gabriel de Gênesis. De qualquer forma, o déficit pode agradar a você, mas meus colegas passaram anos provando que a equação mais comunicação = mais conhecimento = mais apoio simplesmente não se sustenta. Na verdade, às vezes acontece o contrário. As pessoas que têm mais conhecimento podem realmente ser mais críticas. E então atitudes altamente positivas e expectativas otimistas em relação a áreas e aplicações da ciência não estão necessariamente ligadas a uma maior compreensão factual.

Entendo. Isso não é muito animador. Ainda assim, eu me pergunto… se for esse o caso, por que alguém se incomoda?

Há muitas razões para comunicar ciência além de persuadir as pessoas a adotar uma determinada tecnologia. Razões culturais, por exemplo. As pessoas podem desfrutar de uma palestra de ciências assim como desfrutam de uma exposição de arte ou de um romance. Hoje, as instituições de pesquisa e os cientistas veem cada vez mais discutir suas pesquisas com o público como parte de suas funções e também como uma oportunidade de serem mais visíveis.

Eu gosto de assistir programas de TV sobre ciência, e um amigo também me enviou um link para uma entrevista no YouTube com aquela cientista famosa… qual é o nome dela? Acho que ela é uma ganhadora do Nobel. Você deve saber de quem estou falando, você estuda o Prêmio Nobel há anos.

Bem, há muitos que são ativos nas mídias sociais. Na verdade, este não é um fenômeno novo.

Você está falando da Internet? Porque isso é definitivamente algo novo para a minha geração…

Não, estou falando da exposição pública dos cientistas. No final do século XIX e início do século XX, já existiam ‘celebridades da ciência’. Algumas de suas palestras públicas e livros tiveram muito sucesso, um verdadeiro fenômeno comercial.

Sim, claro, ainda me lembro de alguns deles. Albert Einstein, por exemplo.

Certo. Claro que hoje em dia o cenário da mídia mudou. Oportunidades para se envolver diretamente com o público estão agora potencialmente disponíveis para qualquer pessoa no campo da pesquisa.

Isso soa bem para mim, filho…

Bem, essa é uma oportunidade emocionante, com certeza. Mas alguns estão preparados para tal tarefa e outros não. Infelizmente ainda existe uma crença generalizada de que a divulgação científica é fácil e direta, podendo ser improvisada por qualquer pessoa que conheça algum conteúdo específico, sem se preocupar em entender os outros termos da equação, por exemplo, a mídia e o público – ou se você deseja, sociedade.

Engraçado: cientistas que não se preocupam em entender equações. Portanto, o título do seu periódico deve ser reformulado de ‘Compreensão Pública da Ciência’ para ‘Compreensão do Público pela Ciência’.

Acho que vou passar sua proposta para o próximo editor.

Enfim, depois de quase 30 anos, você deve ter chegado a uma conclusão sobre a melhor forma de comunicar ciência…

Mas o que isso significa?

Quais estratégias, formatos, ferramentas, são mais eficazes…

Eficaz para fazer o quê?

Para comunicar ciência! É sobre isso que estamos falando há meia hora.

Mas a ‘ciência da comunicação’ abrange uma enorme variedade de situações. Se a definirmos como ‘sociedade falando sobre ciência’ (onde a sociedade obviamente inclui também cientistas) ou ‘qualquer conversa social sobre ciência’, você vê imediatamente como ela é ampla: uma variedade de programas de TV, notícias, cafés científicos, ficção com conteúdo de ciências, discussões nas redes sociais…

Isso também é divulgação científica? Oh céus.

Sim, ele é. E não é apenas uma questão de mídia diferente. O contexto da divulgação científica também importa: por exemplo, quão saliente é uma determinada questão científica; quão mobilizado o público já está; quão visíveis e credíveis são as instituições científicas e os atores envolvidos; o grau de controvérsia/discordância entre os especialistas em ciências.

Desacordo entre os especialistas? Cientistas fora do mainstream são apenas malucos, não cientistas de verdade.

Bem, em alguns casos há interpretações significativamente diferentes por pesquisadores respeitáveis.

Na verdade, isso me lembra algo que vi na TV sobre um grupo de físicos que levantou dúvidas sobre a detecção real de ondas gravitacionais.

Ai está! O que estou tentando dizer é que, nessas situações, o objetivo para nós não é estabelecer quem está certo, mas analisar as implicações para o público em geral. Algumas décadas atrás, a maioria desses desacordos seria inacessível a não especialistas.

Uau. Isso torna a equação da comunicação científica cada vez mais complexa.

Talvez fosse mais útil pensar nisso como uma tabela, em vez de uma equação, com cada elemento identificando uma situação/contexto de divulgação científica como uma combinação de variáveis.

Isso está ficando um pouco complicado… por que simplesmente não divulgamos a ciência? Afinal, essa é a essência da comunicação científica.

Não e sim. O que você acabou de mencionar é uma versão bastante específica da comunicação científica. É a história linear, de cima para baixo, não problemática, incontroversa: o cientista X descobriu Y, e funciona assim.

Mas você disse antes que isso é o Déficit. E você não parecia gostar muito do Déficit.

Não, não, você está se confundindo. Vamos chamá-lo de ‘Popularização’. O ‘déficit’ incorpora um elemento ideológico, na forma de suposições sobre o público, a ciência e os processos de comunicação. Embora, é claro, seu significado possa variar em diferentes contextos históricos, a Popularização não necessariamente compartilha desses pressupostos. A popularização é a divulgação científica em tempos de paz, por assim dizer.

Está tudo muito bem, mas o que fazemos em tempos de guerra?

Huh?

Há uma guerra contra a ciência, você não vê?

Oh, eu vejo. Hum, bem… acho que devemos ter cuidado com esses rótulos e realmente estudar as tendências nas atitudes do público em relação à ciência. Alguns de meus colegas realmente pensam que quanto mais você chama isso de ‘guerra à ciência’, mais as opiniões se polarizam e os conflitos sobre a ciência aumentam. Isso é chamado de ‘enquadramento’.

Enquadramento hein? Interessante… Então, é disso que trata o seu diário: você não fornece receitas para divulgação científica, mas você levanta questões, algumas são realmente interessantes.

Suponho que essa seja uma maneira de olhar para o nosso diário.

Falando em mesas e receitas, é hora de fazer o jantar. Você prefere um risoto deficitário, ou uma massa de popularização?

Deixo com você, pai, você é o especialista. Você vê, eu tenho muita confiança.

Você tem? Eu esperava que você fosse mais… o que você disse? Mais engajados… na definição do cardápio.

Ah, talvez outra hora.

. . . . .

. . . . .

Que bom que você chegou até aqui! Agora, que tal nos ajudar a levar cada vez mais conteúdos sobre ciência e educação para ainda mais pessoas? Clique nos botões de compartilhamento e envie este conteúdo para outras pessoas! Aproveite e siga os nossos conteúdos em nossas redes sociais. Estamos no Facebook, no Twitter e também no Instagram.  

Compartilhe:

Shares

Mais do ccult.org

Cesta Científica #1

Olá! Esta é a Cesta Científica #1, curadoria de conteúdos sobre cultura científica e ensino de ciências do ccult.org Antes …

Artigos científicos e a cultura científica em sala de aula

Pensar na ciência como uma forma de expressão humana pode soar como estranho para muitas pessoas. Mas como qualquer outro …

Artigos científicos históricos #2

Dando sequência ao primeiro post da série “Artigos científicos históricos”, listamos mais sete artigos científicos que você deveria conhecer. Os …

VAR e a descoberta de outras galáxias

Há mais de quatrocentos anos, Galileu Galilei iniciou uma revolução sobre o aquilo que sabemos sobre o nosso lugar no …

Descolonização de fósseis brasileiros: o caso Ubirajara e algumas notas de cultura científica

Diversos ramos da ciência são constantemente representados em filmes de sucesso de bilheteria — e não necessariamente sucessos de crítica …

Percepção sobre notícias falsas na ciência em sala de aula

Talvez alguém no futuro fique alarmado com o fato de o termo “pós-verdade” ter sido escolhido como a palavra do …

if( function_exists('slbd_display_widgets') ) { echo slbd_display_widgets(); }