Da Zâmbia para Marte: a história do programa espacial mais ousado da guerra fria

Enquanto a extinta URSS e os Estados Unidos disputavam palmo a palmo a corrida espacial, um país africano ousou sonhar em projetar uma nave espacial capaz de levar seres humanos e animais até a Lua e, posteriormente, até Marte. Coube a Zâmbia, na década de 1960, ser palco dessa história incrível de sonhos impossíveis.

A história a seguir parece algo inimaginável. Ou obra de alguém dotado de desmedida loucura. Ou de alguém dotado de gigantesca capacidade de sonhar. Talvez alguém tenha que ter loucura e sonho em proporcional mistura para pensar em desenvolver um programa espacial logo após a independência de um dos países mais pobres do mundo.

. . .

Artigo de Edward Makuka Nkoloso narrando seu projeto para levar astronautas até Marte.

O projeto espacial era sério, apesar de ser não oficial. O responsável direto por ele foi o Edward Makuka Nkoloso, um ex militar combatente na Segunda Guerra Mundial que mais tarde se tornara professor de ciências no ensino básico da Zâmbia. Nkoloso anunciou ao mundo a criação da ZNASSRP — Zambia National Academy of Science, Space Research and Philosophy durante as festividades de independência da Zâmbia, em 1964. Sua agência (da qual era o autoproclamado diretor geral) tinha um objetivo muito claro: desenvolver tecnologia própria para enviar treze astronautas e dois gatos até Marte.

O autoproclamado diretor da ZNASSRP, Edward Makuka Nkoloso, explicando a um repórter americano durante as festividades da independêcnia da Zâmbia como faria o lançamento de seu foguete.

 

Matha Mwambwa durante o treinamento para simulação de baixa gravidade.

Edward Nkoloso providenciou a construção de um centro de treinamento para os futuros astronautas a 11 quilômetros de Lusaka, a capital do país. Enquanto promovia o duro treinamento dos futuros astronautas zambianos – que eram lançados ribanceira a abaixo dentro de toneis usados para transportar óleo para “simular a reentrada e os aspectos da ausência de gravidade” — o então diretor da academia zambiana de ciências pediu financiamento oficial do governo para o seu projeto, o que lhe fora negado prontamente. Nkoloso não desistiu e pediu, tempos depois, financiamento de aproximadamente sete milhões de libras zambianas à UNESCO. Sua carta de solicitação de financiamento foi publicada no jornal de maior circulação no país, o que ajudou a despertar uma pequena atenção do mundo ao programa espacial de Nkoloso.

Aliás, os astronautas selecionados por ele para o treinamento era um caso a parte: em sua maioria jovens entre 16 e 23 anos (entre elas uma mulher, Matha Mwambwa, então com 17 anos), além de treinarem suas habilidades físicas e mentais em exercícios de reentrada nos toneis, tinham a árdua missão de treinarem artesanato e construção de naves e de sistemas de propulsão baseados em catapultas. Isso mesmo: Nkoloso acreditava que poderia mandar astronautas até Marte em sistemas de propulsão que não utilizavam combustíveis e sim, algo muito parecido com as velhas catapultas medievais. E todos eles acreditavam que isso poderia dar certo.

O “intenso” treinamento ao qual os astronautas da Zâmbia eram submetidos.

Ao observar Marte a partir de seu telescópio, Nkoloso acreditou que o “planeta vermelho” estava povoado por seres dotados de inteligência. Então não teve dúvidas: botou dois missionários entre os seus astronautas que tinham as ordens de não forçar qualquer conversão para o cristianismo dos nativos marcianos.

E o treinamento continuava. Os astronautas se dedicavam muito em seus treinamentos, embora já começassem a surgir focos de desconfiança no sucesso do projeto. Mas algo além disso preocupava Nkoloso: ele desconfiava que supostos espiões americanos e russos estavam de olho em suas técnicas de treinamento e, principalmente, nos gatos que seriam enviados ao Espaço junto com os astronautas. Novamente entrou em contato com o governo zambiano, mas desta vez, pediu proteção e a expulsão dos supostos espiões. Mais uma vez, a resposta foi negativa.

A ZNASSRP havia consumido quase um ano inteiro de treinamentos e de correspondências entre seu diretor a autoridades da Zâmbia e da ONU, sem obter nenhum sucesso. Se a empreitada inicialmente parecia nascida fadada ao fracasso, sobretudo pela ausência de recursos e de tecnologias apropriadas, ela ficou finalmente chegou ao seu fim quando a astronauta Matha Mwambwa engravidou e foi resgatada do centro de treinamento pelos seus pais. Pouco tempo depois, os outros astronautas deixaram o programa da espacial da ZNASSRP. E finalmente, ao fim de 1964, o projeto de Nkoloso teve seu melancólico fim, sem sequer desenvolver uma só tecnologia espacial.

A história do programa espacial zambiano foi trazida a tona novamente em 2003, graças ao trabalho da fotografa espanhola Cristina de Middel que criou a série fotográfica “The Afronauts”, pode ser conferida neste link.

. . .

Após o fracasso de seu programa espacial, Edward Makuka Nkoloso tentou ser prefeito de Lusaka. Entretanto, não conseguiu ser eleito. Aposentou-se da vida pública em 1972. Formou-se em direito Universidade da Zâmbia em 1983. Nkoloso morreu em 1989 e foi sepultado com honras de chefe de estado.

. . . . .

Que bom que você chegou até aqui! Agora, que tal nos ajudar a levar cada vez mais conteúdos sobre ciência e educação para cada vez mais pessoas? Além de compartilhar nossos conteúdos e de nos seguir no Facebook e no Twitter, você pode contribuir com o ccult.org com valores a partir de R$ 1. Acesse: apoia.se/ccult e contribua conosco!

 

Mais do ccult.org

Artigos científicos históricos

IMAGEM: FLICKR, ROBERT CUDMORE Um artigo científico é uma forma peculiar que cientistas utilizam para se comunicar com outros cientistas. …

Eletrostática contra a covid-19

Foi na Grécia Antiga que a ideia primordial de o que nos constituía ganhou seus primeiros moldes. Não é uma …

A Wikipédia como ferramenta de enculturação científica

Se você acompanha meus textos publicados aqui no ccult.org e em outros lugares deste vasto mundo chamado internet, já deve …

Por que confiar na ciência?

Eu ainda considero nosso tempo paradoxal. Vivemos rodeados de aplicações do conhecimento científico, dependemos dos avanços que ele propicia, nossas …

Aqui somos #TodosPelasVacinas

Habemus vaccinum (aprovadas para aplicação em território brasileiro)! Com a aprovação emergencial das vacinas contra a covid-19 pela Agência Nacional …

Como contribuir com a pesquisa científica mesmo se você não for cientista

Os dados da mais recente pesquisa de percepção pública da ciência e da tecnologia realizada no Brasil indicam que apenas …

Scroll Up