ccultcast três: redes e peixes e o fazer científico

Shares

Depois de um longo inverno, o ccultcast volta ao ar com a palestra ministrada em 25 de agosto de 2021 na 42ª Semana da Psicologia da Universidade de Taubaté (UNITAU, SP). A palestra discutia as mudanças sobre as visões de ciência ao longo da história a partir do texto “Redes e Peixes”, de Rubem Alves.

Os mais honestos e profundos agradecimentos ao pessoal da Liga Análise do Comportamento (@ligaac_unitau ), à Giovanna Miranda, ao Gabriel e ao Eduardo, ao pessoal da comunicação da Unitau e todo mundo que contribuiu de alguma forma para a palestra acontecesse.

Como sempre, você pode ouvir o ccultcast nas principais plataformas de áudio da internet.

As referências do episódio estão listadas ao final desta página.

Obrigado, pessoal!

Referências do episódio

  • ALVES, Rubem. Redes e peixes. In: ALVES, Rubem. O que é científico. São Paulo: Edições Loyola, 2009. Cap. 1. p. 11-18.

. . . . .

Shares

Mais do ccult.org

O céu noturno como elemento cultural: europeus, aborígenes e índios latino-americanos e as suas constelações

Observar o céu noturno é provavelmente uma das atividades mais antigas praticadas pelo ser humano. Desde os mais remotos tempos …

Fontes brasileiras de dados sobre a covid-19

Em meio a maior pandemia do século, o governo brasileiro resolveu diminuir a transparência na divulgação dos dados de casos …

CCULT LIVROS #2 – Próxima Parada: Marte

Ser um astronauta estava entre os três principais sonhos de minha infância. Talvez fosse essa mesma classificação na hierarquia de …

O carro do êxito e a discussão sobre a intelectualidade negra em sala de aula

Este texto é fruto da parceria de criação de conteúdo com o projeto “Companhia na Educação”, da editora Companhia das …

Pesticidas, cultura científica e o movimento CTS

Espero que não seja surpreendente constatar que o ensino não é uma entidade desassociada da sociedade. Seus objetivos e concepções …

Uma questão de significado

Uma das conferências mais famosas do século XX foi ministrada pelo físico e romancista inglês Charles Percy Snow  em 1959. …