A beleza do conhecimento científico — ou como resumir a beleza da Física em uma expressão matemática

Uma das características mais belas que a ciência possui é a possibilidade de reunir e utilizar o conhecimento matemático a cerca de determinado fenômeno para prever e descrever as causas e consequências decorrentes de sua existência. É assim que a ciência consegue determinar a composição química de uma determinada substância; o nível de eficácia de um medicamento; ou, em termos da Física, a velocidade de uma partícula qualquer, a sua energia, a posição que deverá ocupar depois de determinado tempo se obedecidas certas circunstâncias: a partir das observações dos fenômenos, é possível atribuir hipóteses e testá-las para validar ou refutá-las; daí o cientista atribui a sua formulação matemática, que descreverá o fenômeno e o auxiliará a entender as possíveis causas do que observa. A ciência, qualquer que seja o seu ramo, faz uso da descrição matemática como parte de certas regras que norteiam o seu trabalho, cujo conjunto chamamos de método científico. Aliás, esta ideia de utilizar regras e procedimentos comuns a todas as áreas do conhecimento humano — sim, todas as áreas, inclusive esta que você acabou de pensar — é bem antiga, trazida pelo físico italiano Galileu Galilei, tido como o pai do método científico moderno.

“O livro da natureza está escrito em caracteres matemáticos… Sem um conhecimento dos mesmos, os homens não poderão compreendê-lo.” Galileu Galilei

A genialidade na proposição do uso da descrição matemática proposta por Galileu reside no fato de ela ter um caráter universal, uma linguagem acessível a todos que dominam suas regras. Afinal, as regras matemáticas são as mesmas em qualquer lugar e se a previsão matemática diz que todo objeto em movimento de queda livre cai com a mesma aceleração da gravidade, independentemente de sua massa, isso será válido em qualquer lugar, até na Lua. E a previsibilidade matemática serve para observações feitas no passado, no presente e no futuro. Por isso o conceito de queda livre dos corpos proposto por Galileu no século XVII continua válido até hoje (e com experimentos realizados até na superfície da Lua — vejam só —que atestam suas teorias). E por isso Peter Higgs só levou o Nobel pela previsão da partícula que levou o seu nome quase trinta anos depois de ele tê-la proposto: só em 2008, com a inauguração do LHC, foi possível realizar experimentos para confirmar experimentalmente suas hipóteses e teorias a cerca do modelo padrão de partículas.

(Você pode se perguntar: a Matemática só é utilizada para comprovar hipóteses? Bem, a resposta é não. Os dados medidos, colhidos a partir de uma observação de um fenômeno podem ser intrigantes o suficiente para que se gere uma hipótese a seu respeito; foi assim que o astrônomo Johannes Keppler deduziu as três leis que “governam” o movimento dos astros em nosso Universo: a partir dos dados das observações de Marte e de Júpiter.)

Não é possível desassociar o avanço científico e tenológico do uso (e ampliação) do conhecimento científico. Entender que a Matemática é parte integrante e importante nesse processo — e não apenas um punhado de “fórmulas” cujos resultados nos dizem se algo está certo ou errado a partir de respostas pré determinadas — é entender que o papel da linguagem matemática é o descrever um fenômeno, ainda que todas as respostas a cerca dele não ainda não sejam conhecidas. De todo modo, enxergar beleza da simplicidade de se utilizar a linguagem matemática para descrição de um aspecto da natureza nos mostra que a capacidade humana traz algo tão belo quanto — quem sabe — poético. Vide a imagem a seguir:

O “diagrama de Tourok” apresentado por Neil Tourok durante a abertura da conferência “Convergence”, com menção ao teorema de Noether: “Para cada simetria corresponde uma lei de conservação”. Via @mcnees — https://twitter.com/mcnees/status/613140554436624385

A imagem acima é parte integrante do discurso de abertura do físico sul-africano Neil Tourok no Convergence. Trata-se de um diagrama que descreve, em palavras do próprio Tourok, “toda a física conhecida”, aplicada ao modelo padrão de partículas, contendo termos que descrevem — com maior ou menor clareza — todas as interações que conhecemos. Em oito termos, temos quase quatrocentos anos de descobertas científicas, desde a lei da gravitação universal de Isaac Newton, no século XVII e as relações matemáticas de Euler-Lagrange no século XVII e de Maxwell (que são o fundamento da teoria eletromagnética) até chegar aos quanta de Max Planck, a teoria da relatividade geral de Einstein, as descrições do estado quântico de um sistema físico dadas por Schrödinger, os férmions e a antimatéria de Paul Dirac, e os mésons de Hideki Yukawa, as quebras de simetrias descobertas por Makoto Kobayashi e Toshihide Maskawa, todas elas feitas no século XX, até fechar com chave de ouro, com a confirmação da existência do bóson de Peter Higgs, em 2012.

Muita Física e muitos temos aparentemente confusos, não é? Mas não é preciso ser um físico-matemático para enxergar a beleza que está explícita no diagrama de Tourok.

A beleza reside tanto na expressão matemática em si— uma equação que descreve o comportamento de partículas de nosso universo — quanto na sutilidade escondida em cada termo: a reunião de descobertas realizadas ao longo de quatro séculos, cujos estudos tentavam compreender e descrever um aspecto específico da natureza e, que ao serem reunidas, nos dão uma dimensão geral de seu comportamento e podem explicar o surgimento do Universo e das primeiras partículas e, posteriormente, dos átomos e moléculas que compõem os elementos químicos.

Não é apenas pela presença das funções de onda, das integrais ou das constantes físicas. É pelo o que ela representa: a reunião de todo o esforço humano para compreender o universo que o cerca. Afinal, não é apenas sobre números e variáveis, e sim, sobre a necessidade humana de entender como tudo surgiu. E nada soa tão poético quando alguém tenta compreender as razões de sua existência.

 

Mais do ccult.org

Infográficos como recurso didático para as aulas de ciências

Os infográficos são largamente utilizados no jornalismo como recurso de complemento a notícias. A ideia é ilustrar fenômenos, acontecimentos e …

Mapeando as discussões sobre ciência no Twitter

Criada em 2017, a hashtag é um marco na comunicação na internet. A ideia é simples: marcar assuntos ou temas …

Periódicos científicos na palma de sua mão: aplicativos e sites para acessar e gerenciar artigos

Nos últimos anos, o acesso aos periódicos científicos tem sido facilitado pelo crescente acesso à internet e a parceria entre …

Feliz Dia Nacional da Ciência!

Em um dia como hoje, 8 de julho, era fundada a primeira entidade científica brasileira: a Sociedade Brasileira para o …

Divulgação científica contra as notícias falsas sobre o coronavírus

Uma das tarefas mais importantes da divulgação científica é a de informar corretamente os fatos científicos, especialmente quando eles ainda …

ccultcast dois: os artigos científicos

O segundo episódio do ccultcast está no ar! Neste episódio, discutimos a produção e o papel (sem trocadilhos, por favor!) …

Scroll Up
Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0